DESABASTECIMENTO E ELEVAÇÃO DO VALOR DE MEDICAMENTOS EM TEMPOS DE PANDEMIA

  • Radisley Fonseca Lisboa São Lucas
  • THAIZA PAES DO NASCIMENTO
  • IZABELE DANTAS DE ANDRADE SILVA
  • FLAVIA DE SOUSA BARROS
  • JESSICA LEITE DE OLIVEIRA
  • CRISTIANO AIRES DE ALMEIDA
  • RITA DE CÁSSIA ALVES COSTA

Resumo


A COVID- 19, doença infecciosa ocasionada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) resultou em uma pandemia em meados de fevereiro de 2020, essa fase atípica gerou a elevação de demandas emergenciais de medicamentos, impactando com a exacerbação dos valores dos mesmos repassados da indústria para as distribuidoras, e da distribuidora para o varejo. Esse aumento foi consequência das promessas de tratamento precoce sem fundamentos científicos propagadas pela mídia, construindo uma exacerbada procura desses insumos farmacêuticos, resultando em escassez dos mesmos. Um dos medicamentos que retrata essa realidade é a Ivermectina, convenientemente utilizada para o tratamento precoce da Covid 19, o aumento dessa demanda resultou no impacto de variação de preço: em 2019 o medicamento custava em média seis reais a caixa com quatro comprimidos, e após o início da pandemia, saltou para trinta reais. Na tentativa de frear esse uso irracional de medicamentos, houve a necessidade de publicação pela Anvisa da RDC 405/20 em julho de 2020 que incluiu alguns medicamentos, como a Ivermectina, na lista de controle de retenção da receita médica, fazendo assim que houvesse a diminuição e o uso indiscriminado dos mesmos. Entretanto com o aumento repentino no consumo de medicamentos durante a pandemia, corroborou para que as distribuidoras de medicamentos enfrentassem outra problemática: desabastecimento de medicamentos para o tratamento ate então preconizado para COVID-19, equipamentos de proteção individual (EPIs), e os medicamentos para intubação, como fentanil, midazolam, succinilcolina, Rocurônio. Sendo assim, o presente resumo explana como a demanda e os preços dos medicamentos e EPIs subiram durante a pandemia, a partir de revisão bibliográfica de bases de dados secundarias como Scielo, Pubmed, Anvisa, Fiocruz, no período de 2020 e 2021, acerca do aumento dos preços de medicamentos durante a pandemia. Apesar de toda a modernização ocorrida nas industrias farmacêuticas nos últimos anos, quanto a parte de informatização e automação dos processos industriais, o impacto causado pela pandemia foi gigantesco. O aumento do dólar, a mudança do modo de transporte dos medicamentos e insumos, que até então eram feitos por via marítima, passou a ser por via aérea de modo a dar mais celeridade ao processo de entrega, toda essa nova logística acabou por elevar muito o seu custo final. Com a proliferação do Coronavírus, fica comprovado que a maioria dos produtos que são essenciais para combatê-la estão em falta, como EPIs, exames diagnósticos e seus insumos, ventiladores e medicamentos necessários ao atendimento de pacientes. Da mesma forma, a oferta e a capacidade de aumentar a produção também são fatores decisivos para causar escassez.  O aumento da produção pode ser usado para compensar o aumento da demanda em tempo hábil, para não ocorrer escassez, dependendo unilateralmente da capacidade de produção de medicamentos, insumos farmacêuticos eficazes e outras matérias-primas necessárias para a produção. Sendo assim, podemos concluir que o desabastecimento está relacionado a procura exagerada da população por um tratamento rápido para o cenário atualmente vivido diante a pandemia, egresso que não acompanha a indústria dispondo de poucos insumos para a produção destes, sendo a mesma utilizando do aumento dos seus preços para continuar atendendo a demanda, levando ao alto repasse as distribuidoras que por sua vez repassa m esses medicamentos para as drogarias com um valor elevado, sendo o consumidor fatalmente atingido. Essa problemática poderá ser resolvida com a a conscientização da população aos riscos da automedicação a longo prazo.


Palavras chaves: pandemia, medicamentos, aumento de preços e desabastecimento.

Publicado
2021-09-20